Vigilantes da implicância


 
Vigilantes da implicância
Postagem 17 de novembro de 2013
 


Arte taw ranon
Por mais que tentemos evitar a mesmice de todos os finais de ano, as histórias se repetem sempre do mesmo jeito. Quem por falta de noção assistiu os seus planos naufragarem, num mar de incompetência, copia antigos e saudosistas enredos para dizer como se fosse novidade, que odeia o natal. Por sua vez e atrelados, ao grupo dos descontentes, os que ficaram a ver navios na existência sentimental, acentuam em suas expressões aspectos de quem não foi feliz nessa vida e nem na outra será. Em um outro extremo e alheios, aos vigilantes da baixa auto estima, misturam-se os  que volta e meia fazem questão de dizer: “Meu Deus do céu! Como o ano passou rápido”.
Intenso como intenso seria incluir a nossa maneira de agir a individualidade de outras pessoas, para que balaços efetivamente favoráveis sejam verificados em dias assim, nada melhor seria segundo os especialistas, uma boa gestão do tempo. 
Respeitado pela sua atuação frente ao Instituto Brasileiro de Coaching, José Roberto Marques que também atua como treinador, publica importante artigo sobre como organizar as atividades, sem perder a qualidade, de maneirara a atender as todas as demandadas com maior agilidade.  Entre os vários destaques, José Roberto explica que para conseguir reservar tempo e dedicar-se a vida pessoal, é preciso estar atento aos excessos de conversas paralelas ao trabalho, principalmente nas redes sociais.
Definitivamente enraizados ao ser humano na sua incessante busca pela riqueza, quando não pelo poder, pouco às vezes é dado a saber, sobre o que nos reservaria o andamento de nossa historia, se menos dela exigíssemos nos doze meses do ano. Frequentemente deixada de lado em troca de outras prioridades, as ocasiões dedicadas a nos mesmos fica para quando Deus na sua infinita bondade nos conceder mais tempo, o que torna a  vida corrida como se nos fora ela ofertada desde os seus primeiros dias, como uma amostra grátis.
Tal e qual o poder e a fama, os sonhos também se esvaem muito mais rápido do que se espera quando construídos a toque de caixa. A oportunidade de vivenciar as coisas mais simples acaba por extinguir-se bem antes, uma prova cabal de que a ignorância é a mais categórica definição de que em muitos casos a pressa é mesmo, inimiga da perfeição.
Sábio em sua defesa pela simplicidade da vida embora fosse oriundo, de uma família ilustre, Lúcio Aneu Séneca o célebre advogado, escritor, e intelectual Romano (4 a.C/65 d.C) conhecido também como Sêneca, diz em sua obra que o verdadeiro elogio não esta na vida que se vive mas na vida que se deveria viver. Infinito o conhecimento contido nos seus escritos, Sêneca fala que “Somente aquele que tem a consciência de como a vida é efêmera, e que a morte a qualquer instante pode chegar, não perde tempo e cultiva a arte de viver e amar a cada dia e não espera pelo amanhã na tola ilusão de que sempre terá tempo. Não há melhor época para a vida de ninguém, o que existe é a conquista de melhor dia, todos dos dias”.  
TAW RANON
 
Artistas Anapolinos Doc.Memoria
Construída em 1929, a Capela de Bom Jesus hoje Catedral, é um dos símbolos históricos mais importantes da cidade de Anápolis. No natal ela se cobre de luzes para celebrar o nascimento de Jesus. O registro fotográfico realizado em 2009, mostra uma panorâmica do templo e os sinos localizados em sua torre. Fotos: taw ranon/Acervo, ARTISTAS ANAPOLINOS. 
 

 
 
Resto do Post

Nenhum comentário:

Postar um comentário